[Séries de tv] Arrow, Copper e Beauty & The Beast (Parte2)

Olha eu fazendo mais um post sobre séries de TV. Sorry, gente, mas sou viciadinha. Nessa temporada surgiram muitos (bons) seriados e já falei de algumas estreias de setembro em publicações aqui no blog e hoje trago mais três que valem a pena serem vistos:

Arrow:
Se é arqueiro pode ter certeza que já terá pelo menos mil pontos a favor comigo. Sempre fui louca por usuários do arco-e-flecha como Robin Hood, Gavião Arqueiro e claro, o Arqueiro Verde. E é justamente sobre esse último que a série fala.

Oliver Queen é um milionário que depois de uma viagem de barco com o pai, desapareceu e foi dado como morto. Antes de se matar, para aparentemente dar mais chance de vida ao filho no bote que os salvou, seu pai lhe confidencia que a fortuna da família e a prosperidade da cidade que eles vivem foram resultado de corrupção, suborno, entre outras coisas. Cinco anos depois de ter vivido isolado em uma ilha, Oliver é resgatado e tenta se readaptar à sua nova rotina. O que ninguém sabe é que além de bem pertubado, Oliver volta com uma habilidade incomum: é capaz de fazer de seu próprio corpo uma arma mortal.

Oliver então começa a caçar as pessoas deduradas por seu pai, fazendo-os confessar seus crimes e devolver o que foi roubado dos cofres públicos. Lógico que isso tudo disfarçado como o Arqueiro Verde, o que acaba mexendo com a imaginação da população, que ainda não sabe se o considera um vilão ou herói.

Depois de Smallville, sobre a história do Superman, que não se sabe como durou tantas temporadas, é a vez do Arqueiro Verde ganhar seu espaço. Diferente do seu companheiro da Liga da Justiça, Arrow não tenta fazer de Oliver Queen um ser perfeito e mostra uma pessoa arrogante, obcecado pelas injustiças que a cidade sofreu e cheio de segredos, principalmente se o assunto for o que lhe aconteceu na ilha. Mas também mostra o amadurecimento do riquinho mimado para o guerreiro destemido.

Copper:
Copper gira em torno de Kevin (Tom Weston-Jones, que também faz o doce Merthin em World Without End), um policial irlandês que interage com diferentes personagens enquanto patrulha as ruas de Nova Iorque em meados do ano de 1870. Em paralelo ao seu trabalho, ele luta para descobrir a verdade sobre o desaparecimento de sua esposa e a morte de sua filha. Mas este não é o único mistério que cerca sua vida. Durante a Guerra Civil, ele e mais dois companheiros testemunharam diversas situações nos campos de batalha, as quais mantém em segredo.

O que segura a série, além da fotografia maravilhosa e representação fiel da época, são as inúmeras reviravoltas na trama, o fundo político abordado sutilmente, os segredos da guerra que são desvendados gradualmente e a habilidade que Corky e seus companheiros têm para desvendar os crimes que os rodeiam sem quase nenhum recurso, usando somente a dedução e esperteza.

Mesmo sem ter chamado muita atenção a série tem agradado bastante o público e já foi renovada para a segunda temporada!

Beauty & The Beast:
A CW apostou alto e considera a série como o trunfo do canal para essa temporada. Estrelada por Kristin Kreuk e Jay Ryan, a história gira em torno de Catharine, uma detetive que quando adolescente presenciou o assassinato da mãe e por pouco não foi morta também, se não tivesse sido salva no último minuto por uma fera que surgiu do nada e sumiu sem deixar rastros.

Anos depois, Cat recebe uma ajuda inusitada para desvendar um crime e acaba relacionando o misterioso ajudante à fera que a salvou anos atrás. Só que isso tudo vem também acompanhado de experiências militares em DNA e corrupção na polícia, o que lhe obriga a ver com novos olhos o caso do assassinato de sua mãe.

A série tem uma boa história pra contar e pode se apoiar também nos casos que vão surgindo nos episódios. O que me desagradou foi a escolha da personagem principal. Kristin Kreuk, com aquela cara de moça indefesa que parace que vai desmoronar no choro a qualquer momento não me convence de jeito nenhum como uma detetive destemida, cheia de ação, com habilidade para lutas ou para interrogar alguém, muito menos ir em busca da verdade.

1 Comment

  1. Fran_Kukuty says: Reply

    Hey Patoka, post maravilhoso sobre séries como sempre!!! Fiquei curiosa para assistir Arrow e em dúvida se terá continuação… Tbm desanimei com a atriz escolhida para Beauty e The Beast, ela não se encaixa no perfil da personagem! Bjo FRAN

Leave a Reply